Tuesday, 26 December 2017

DO RETROVISOR E DO FREIO DE MÃO EM 2018



Dos balanços da vida no final do ano, sejam  pessoais, familiares ou  empresariais, todos têm uma característica: somar, analisar e ver pelo retrovisor o que aconteceu. É sem duvida um exercício muito útil, em especial se você analisar não o que você conseguiu mas o que você não conseguiu e onde você errou. Ou onde a sua equipe, seja na família, seja na empresa, poderia ter sido mais feliz, onde poderiam provocar menos stress e chegar a melhores resultados. É  absolutamente fundamental essa análise racional, com lápis e papel na mão. Na coluna da esquerda, onde acertamos, e, na da direita, onde erramos. Não precisa nem de computador ou de algum algoritmo para isso. E claro, onde eu errei e acertei, e onde a equipe acertou e errou. E discutir isso, de forma franca, aberta e, porque não, dizer tranquila e sinceramente. Dialogo não morde e não tira pedaço, mas é às vezes difícil, exige uma boa dose de liderança e desprendimento.

E daí, para a  frente, sente-se na carroça de sonhos e comece a construir os objetivos para os próximos anos. Feche o retrovisor, porque ele existe no carro, mas na vida empresarial não é o que vai levá-lo a realizar seus objetivos. Estes, quem vai determinar é você com a sua equipe e, daí para frente, é olhar para o adiante, construir mais e mais o seu futuro. Como empresário, se não enxergar as dificuldades, então você tem um problema grave, porque o mar de rosas nesta vida de empresário, seja onde estiver, não existe. 

Os obstáculos para alcançar seus objetivos são de dois tipos: internos, inerentes ao seu negócio, e externos, sobre os quais você tem pouca influência. 

Primeiro está o mercado, como ele se move, quais são as forcas que o compõem, como andam a concorrência, inovação, mudanças no comportamento dos consumidores ou modelos  de negócios  dos seus clientes. As inovações tecnológicas que batem na sua porta e que determinam  a mudança não só de produzir, oferecer seus produtos, mas também a atualização dos produtos. Ou as relações com seus sócios, ai incluindo seus funcionários, que não sabem o que vai acontecer dentro do contexto da nova legislação. E mais e mais.

E aí vem a segunda parte: o ambiente externo. Este país, com seu povo maravilhoso, esculhambado pelos políticos que nos elegemos até a medula.  Temos uma gestão pública orientada essencialmente em antagonismo com o empresário e um judiciário, em todos os níveis e ramos, assustadoramente não merecedor da confiança do cidadão. As eleições estão na porta, com os mesmos que fizeram o modelo econômico-financeiro e político do país falir. Ou seja, a desesperança que racionalmente assusta e nos induz a puxar o freio de mão na consecução dos nossos sonhos e objetivos.

Não faça isso, não se assuste e convença-se de que você, com sua garra , capacidade de trabalhar, persistir, resistir e vencer, supera tudo isso. Se você sobreviveu até agora, você também vai sobreviver a esse 2018 cheio de surpresas, golpes baixos dos políticos, poucas mudanças a seu favor (quem sabe vem uma reforma tributária). Não puxe o freio de mão. Acredite na sua equipe, acredite em você mesmo, porque esse  é o seu melhor investimento. E claro,  mantenha o caixa sob controle.


Um ano novo feliz, resiliente e resistente.

Sunday, 17 December 2017

DO PAÍS DOS MISERÁVEIS



Dezembro, mês de festividades, desde Hannuka até o Natal e Ano Novo, sem esquecer no início de janeiro Santa Claus (que os europeus festejam), nos confunde com alegria, presentes, bons votos e bondades, com os balanços e as perspectivas. Em geral, sempre desejamos mais e mais, esperamos, que o ano que se aproxima seja um ano melhor. As festas nas empresas são cheias de otimismo, ao mesmo tempo que os documentos estratégicos prometem mundos e fundos em um país que está prestes a ter uma eleição em que o que mais predomina é a incerteza.

Mas, fora das esperanças macroeconômicas, falam até em 3% de crescimento do Produto Interno Bruto, e passagens das reformas básicas como da Previdência e eventualmente uma tímida reforma tributária, está na hora de, com corações abertos, analisarmos, com os últimos dados do IBGE, em que país vivemos. O que de fato é o Brasil. 

O Brasil é um pais de 52 milhões de miseráveis, dos quais quase 14 milhões de pessoas vivem em condições de extrema pobreza. Onde temos 14 milhões de desempregados e uma geração de jovens de 16-29 anos nem-nem. Nem estudam e nem têm emprego. E a cada 48 horas temos um jovem assassinado. Uma população carcerária de quase 1 milhão de pessoas, das quais 40 % estão presos sem julgamento. E mais e mais estatísticas que nos colocam como o país de maior desigualdade social do mundo. Sem falar nos escândalos de corrupção.

Bem, há coisas positivas para todos os cantos, mas elas não se sobrepõem ao retrato de miserabilidade na qual o país caiu e, por incrível que pareça, com governos de esquerda dominando a política nos últimos 16 anos. 

Não adianta tapar o sol com a peneira. O retrato social, que é claro determina o retrato econômico (não vamos nem falar na educação) nos leva a pensar que futuro temos. Que modelo econômico de democracia será proposto para a inclusão desse contingente de miseráveis no mercado de trabalho. Quais concessões sociais o estado está disposto a ceder para que a situação mude. E como mudar?

Não vejo que nenhum dos políticos esteja discutindo isso neste momento. Não há uma visão a médio prazo e nem um projeto de país que vislumbre mudança, seja ela radical, seja ela gradual, dessa situação.

Simplesmente aceitamos que as diferenças sociais que temos fazem parte do Brasil, e somos indiferentes ao retrato do país dos miseráveis. 


Mas, a história mostra que essas diferenças não constroem um país, mas destroem seu tecido social, político e econômico. A vulnerabilidade é maior do que queremos perceber. Principalmente se aceitarmos essa triste realidade que construímos.

Monday, 11 December 2017

DAS REFORMAS E ESPERANÇAS



A reforma da previdência está ocupando todo o debate político e econômico  nos últimos tempos. O governo está colocando a sua tropa de choque, a mudança do ministro  de articulação política, nomeando o agressivo Marun para cargo é um claro sinal disso. O refrão é quem não está conosco, está contra. Amém. E a reforma tem que sair, salve Brasil. E o tal do mercado, que adora o Ministro da Fazenda, vai dizer que o Brasil está fazendo reformas e marchando, apesar da impopularidade do próprio Presidente da República e de todos os processos judiciais em curso.

Não há dúvida de que algumas reformas, como a trabalhista, são de fato reformistas, ou seja mudam o paradigma. A da previdência é uma reforma pífia que modifica alguns itens nas agenda de mudanças necessárias mas não vai trazer benefícios nem para o trabalhador e nem para o caixa da previdência. Os benefícios de certas classes, como o legislativo e o judiciário, permanecem e são intocáveis. Para a reforma ser consistente precisa ser mais ampla  e definir também os parâmetros das previdências pública e privada. A previdência privada pode ser grande financiador do desenvolvimento, desde que bem administrada e controlada. Mas, hoje em dia, os  fundos de previdência de estatais são um saco de gatunos e por outro  lado, as empresas de previdência privada, como da saúde, conseguem  aumentos anuais acima de qualquer inflação imaginária. Ou seja, nessa área ninguém mexe e não precisa de leis novas, mas de ordem e controle.

Mas, nenhuma reforma da previdência vai dar certo se não mexer no cerne do problema econômico brasileiro, entro outros: o modelo de gestão do estado, burocrático e com pouca eficiência o para cidadão. Não basta ter algumas categorias de funcionários excelentes se o sistema absolutamente  não acompanha as necessidades da população e nem do país como um todo. Essa reforma, que pode começar  nos municípios e estados, não está acontecendo. E muito menos no nível da federação.


Outra reforma absolutamente necessária é a fiscal e tributaria. Dela ninguém fala, apesar de projetos na Câmara e discussão de alguns deputados. Sem essas reformas, todas as outras ficam sem muito efeito. E quando o Presidente da República pede aos empresários apoio à reforma da previdência, eles não lhe dizem com clareza que a previdência só vai funcionar se houver reforma tributária. Mas esta também pode começar pelos municípios  e estados. Desburocratizando, simplificando, já seria um bom passo. Mas, ninguém esta fazendo isso porque a regra é quanto mais complicado, melhor. 

Monday, 4 December 2017

MINAS 4.0



A economia mundial está se transformando com uma rapidez como nunca antes na história. É só lembrar que há 25 anos poucos tinham o “tijolo” chamado telefone celular e ver como está hoje: quase 100 % da população brasileira tem celular (a maioria smartphones) e 8  % de todas as compras são feitas via celular, sendo que se espera que em dez anos passe para 50 %. Comprar passagem, seja de ônibus, seja de avião, pedir taxi (morreu o taxímetro), coordenar viagem com Waze e se comunicar com um grupo de pessoas via Whatsapp (inclusive para viajar juntos e com isso deixar de viajar de ônibus) é tão comum como reservar hotel ou hospedagem via Airbnb ou outro aplicativo.

Estas são algumas das mudanças que estão visíveis. Abrir conta no banco digital e movimentar dinheiro via internet é outra. E assim há dezenas de aplicativos de tecnologias novas que há alguns anos atrás não existiam. E mais uma dezena que estão em execução, afetando a nossa vida com nomes como blockchain, segurança cibernética, robótica, internet das coisas, inteligência artificial, big data e analítica, quantum computers, impressoras 3 D (esta já esta velha), drones, e indústria 4.0,  que reúne tudo isso nos processos industriais.

O Brasil vive uma profunda crise institucional e uma transição política. Mas vive ao mesmo tempo em um mundo em profunda transformação tecnológica, que afeta todo o sistema econômico. Será que essa transformação tecnológica (veja o voto eletrônico) não vai transformar o país (sem falar das mudanças na área de comunicação) mais depressa do que as mudanças na área politica? Como estamos nos preparando para essas mudanças?

No debate promovido pelo Minas em Movimento e pela apresentação do Gustavo Tayar, renomado especialista da consultoria McKinsey e secundado por Wilson Leal, da maior empresa  brasileira de big data, Neoway, ficou claro que o mundo anda e a caravana fica. Ou seja, ou nos preparamos para acompanhar essas mudanças, ou o nosso fosso entre sociedade desenvolvida e subdesenvolvida  (nem em desenvolvimento) vai ficar intransponível.

Programas de start up, estabelecimento de centro de pesquisas da Google, ou de genética animal em Uberaba (estes desglorifidados com um belo artigo na revista francesa Nouvel Observateur), biotecnologia e mais alguns exemplos, não serão suficientes para alavancar a economia mineira. O uso crescente mas limitado de avançados recursos tecnológicos na indústria mineira (como o robô) ou no comércio, não nos garante sermos competitivos. E, por outro lado, os cursos de matemática (quem lembra do saudoso professor Judice), engenharia e física (com o excelente departamento na UFMG) têm se disseminado, assim como os cursos de ciências humanas. Nós vamos precisar de matemáticos, físicos, químicos entre outros, para nos desenvolver.

O salto tecnológico deve ser liderado pelo próprio governador do estado e deve ser um projeto consensual da sociedade. Ele não é projeto de um mandato e requer esforços e recursos inimagináveis. Inovação em todos os níveis é só uma parte da gigantesca tarefa que temos que enfrentar para sobrevivermos como sociedade (claro que com muitos desafios, inclusive na área de emprego), mas Minas precisa urgentemente de um projeto consistente de seu desenvolvimento, baseado nas tecnologias que o mundo está oferecendo. Minas 4.0.