Sunday, 24 September 2017

DEFICIT DO PRODUTO MORAL BRUTO



A cada momento estamos ouvindo do déficit fiscal. Bilhões de reais. Déficit de contas públicas e quebradeira das contas dos estados e municípios. E déficit da previdência que requer uma reforma urgente do sistema previdenciário. E mais: a queda de produto bruto, que é a soma de todas atividades econômicas, foi brutal nos últimos três anos, com um acréscimo do desemprego que aumenta a crise social. Em resumo, não faltam indicadores econômicos e sociais para medir o que está acontecendo no país e no mundo.

Em um ambiente globalizado competitivo, ainda há indicadores de felicidade, onde o Brasil, com sua população sempre paciente e esperançosa, parece bem. Tem também indicadores de competitividade, onde claro estamos, por  razões que todos conhecemos, mal. E de inovação, também. Na de transparência, estamos na lanterna mundial. Na lista da FIFA, escorregamos após a fragorosa derrota para a Alemanha no final da Copa no Brasil, mas estamos bem. E ainda há alguns cantores nossos que ganham o Grammy, para a consolar a nossa brasilidade.

Neste incrível mundo de avaliação de desempenho da sociedade, não vamos falar nem na infra-estrutura, educação e saúde, e neste incrível momento de transição que estamos passando, neste momento da Lavas Jato e todos os processos em curso e os que ainda vem, faltam algumas considerações que não são macro, mas que afetam a vida do cidadão comum.

Que a nossa sociedade, que se apresenta como quem está aplicando a justiça neste momento nos casos de corrupção, está profundamente manchada com esses acontecimentos e com lideres que não conseguem apresentar soluções um tanto quanto razoáveis e aceitas pela maioria da população, ninguém tem mais dúvida. De um lado há escândalos de corrupção, de outro lado soluções dadas pelos mesmos que causaram o problema ou participaram omissos ou ativos dele. Insustentável para qualquer pessoa normal.

Por outro lado, nos conflitos de segurança pública, o caso do Rio é o mais visível, inclusive por causa de força da mídia, mas não e único. Muito pelo contrário: o país no item de segurança pública se tornou absolutamente vulnerável. Ninguém quer dizer quem manda e quanto nos tornamos um Medellín ou Cali, cidades dominados por cartéis. Ou uma Colômbia.

Nesse item ainda cabem a contabilidade de mortes violentas, crimes registrados e não registrados e mortes no trânsito, tanto nas cidades como nas estradas. Somos um país dos mais violentos do mundo, dos mais corruptos, e com o melhor sorriso. Nada nos derruba, nada nos destrói (felizmente não temos terremotos e nem furacões).

No fundo parece que o problema maior nosso é moral e ético. Perdemos valores de respeito às pessoas, à sociedade em que vivemos e ao estado que construímos. As instituições que estão caindo na nossa frente (mesmo que  isso não pareça às vezes claro), são resultado de uma brutal queda de produto bruto moral e ético do país. E essa queda tem na sua base a perda ética dos valores do cidadão, de cada um de nós.

Nós aceitamos o jeitinho e a lei de Gerson com a maior naturalidade, e não nos revoltamos através eleições e outros instrumentos democráticos contra isso. O nosso problema reside em que as instituições que são responsáveis por guiar e liderar esse fundamento ético do país, sejam religiosas, políticas ou lideranças civis e empresariais, se acovardaram e passaram a construir para o seu bem próprio e o dos seus dirigentes esse déficit ético e moral. E aí, chegamos ao ponto em que tudo vale para me salvar. Se eles podem, eu também posso.

Déficit moral, realinhamento ético da cidadania em um processo democrático, é o nosso único problema. E aí depende de cada um, e de todos. Outros indicadores são consequência da mudança que deve ser feita por instrumentos políticos democráticos.

Difícil, mas não impossível, porque mesmo com essa desordem que existe, há exemplos e mais exemplos no país que nos lembram de não desistir e lutar. É seguir esses exemplos e não os da Lava Jato e similares.

Monday, 18 September 2017

DAS AUTO

“DAS AUTO”

A feira de automóveis de Frankfurt, realizada a cada dois anos, teve neste ano, além da Chanceler alemã Angela Merkel, também a presença da principal executiva da Facebook, Sheryl Sandberg. Bem, que a líder alemã estivesse presente alguns dias antes de eleições parlamentares, está claro. Mas, porque dar tanta importância à Senhora Sanberg? Os prepotentes alemães, que vendem na China um em cada dois automóveis, deram à empresa de Palo Alto, Califórnia, uma importância que coloca bem no nosso nariz a pergunta: o que está acontecendo com “Das Auto”, como os alemães chamam o automóvel.

O fato é que na feira não se falava de potentes máquinas, aquelas que a Lava Jato apreendeu dos nossos malfeitores, mas de carros híbridos, elétricos, de mobilidade urbana e carros autodirigíveis. Automóveis que usam mais e mais eletrônica, inteligência artificial, e integração de várias tecnologias inteligentes. Os produzidos hoje, estão virando carroças com muita rapidez. E neste capítulo inclui-se o uso de automóveis como pelo Uber e todo o sistema de logística, como fazendo entregas que hoje são feitas por motoqueiros.

Além de toda a inovação tecnológica a que estamos assistindo, ainda há a questão do meio ambiente. A indústria alemã fez feio com a falsificação de dados sobre emissões dos seus motores a diesel nos Estados Unidos ( no Brasil ninguém se incomodou com isso) e precisa recuperar a credibilidade.Por isso, usaram a feira de Frankfurt para anunciar que em menos de dez anos vão fabricar mais carros elétricos do que a gasolina e diesel. Analistas apontam que a Alemanha, que fez da indústria automobilística sua força motriz de desenvolvimento ( 13 % do PIB e 18 % das exportações) está em uma encruzilhada tal que se não houver uma mudança de modelo econômico pode chegar a uma crise sem precedentes, inclusive de efeito devastador para a Europa. E tem outros movimentos: a Renault fez da aliança com a Nissan e a Mitsubishi um gigante que deve produzir nos próximos cinco anos mais de 10 milhões de veículos por ano. Em resumo, o setor todo está no meio de mudanças significativas.

No Brasil, decidimos há sessenta anos, na época de JK, fazer da indústria automobilística também o motor do nosso desenvolvimento. E ela continua forte, poderosa e com tantas fábricas com incentivos que já perdemos a conta de sua competitividade a não ser para exportar para a Argentina. Fala-se timidamente de automóveis elétricos, de consolidação e de avanços tecnológicos em nível mundial. E esse debate, que pode estar fervendo no próprio setor, deve ser um debate sobre avanços tecnológicos, meio ambiente, combustíveis,  e mobilidade, ente outros, que interessam à sociedade brasileira como um todo. A não ser que desejemos esperar que a crise nos derrube mais uma vez.

Sunday, 3 September 2017

DO LAVA RIOS



Minas Gerais é uma terra de montanhas, rios, planícies e riquezas naturais, começando por suas reservas minerais, e um enorme potencial biológico. A história do estado sempre foi  construída na base de suas riquezas minerais, por bem ou por mal. Através dos tempos, a valorização de seus minerais mudou, das pedras preciosas passou para o nióbio, e agora para o lítio, que está sendo usado em baterias para a nova era eletrônica e digital. Passamos pelo quartzo para uso em telecomunicações, pelos diamantes para a beleza e o uso industrial, pelo minério de ferro da mais alta qualidade e mais dezenas de minerais e minérios extraídos da terra que também produz café, soja, milho, e até o fosfato que alimenta sua agricultura toda em expansão.

Essa identificação na mineraria também  produziu a melhor escola de Engenharia de Minas da América Latina, em Ouro Preto, graças ao pioneirismo do engenheiro Gorceix. E os primeiros fornos de fundição em Ouro Branco, a primeira planta de alumínio feita pelo lendário Américo Rene Gianetti em Ouro Preto e muitos empreendimentos mais. Com o descobrimento de riquezas vieram estrangeiros, ou como exploradores ou como investidores. Nas minas de ouro, de Nova Lima, ou de São João del Rey, eram os ingleses. A Siderúrgica Mineira de Sabará foi vendida em 1928 para os luxemburgueses e virou a Companhia Siderúrgica Belgo Mineira, hoje grupo Mittal, indiano. Em resumo, o nome de Minas Gerais é mineração. Foi fundada na metade do século passado a Companhia Vale do Rio Doce, com sede no Rio de Janeiro, mas com suas minas  em Minas Gerais, em especial Itabira, descritas como nunca pela tristeza do que viraram, pelo eterno poeta Carlos Drummond de Andrade.

Ai, aconteceu o acidente no ano passado na mina da Samarco, de Mariana. Sujou o Rio Doce, destruiu cidades, destruiu vidas, manchou a alma mineira. E até agora, mina fechada, muitas discussões, muitas promessas e nada resolvido. Nem do ponto de vista jurídico, nem politico e nem econômico. Enquanto os fiscais de meio ambiente do estado e das prefeituras ficam caçando pequenos infratores para atender pedidos de vingança política, as questões maiores de meio ambiente no estado ficam paradas e sem solução.

Não se trata tão somente de licenças de funcionamento, mas essencialmente de, através da solução do caso de Mariana, demonstrar  a capacidade  do estado de administrar o meio ambiente e dar-lhe uma solução. A mineração por si só não é nenhum mal, mas deve ser parceira ambientalmente responsável. Minas está perdendo lugar não só para estados do norte, mas também para o Peru e Chile.

Por mais que se tente diversificar a economia mineira, a mineração e a indústria correlata aos agronegócios ainda serão sustentáculos e base de desenvolvimento. Mas, é preciso resolver os caso pendentes e fazer uma política consensual de desenvolvimento.