Tuesday, 22 August 2017

DO DESVIO DE FUNÇĀO E DINHEIRO



Nos idos dos anos 40, ou seja, há quase oitenta anos atrás, um grupo de industriais paulistas liderados pelo engenheiro Roberto Simonsen, convenceu o governo Vargas de que a educação profissional era fundamental para o desenvolvimento do país e, consequentemente, de sua base econômica, indústria e comércio. E mais: que a gestão desse programa deveria ser das próprias entidades empresariais, financiado pelo desconto na folha de pagamento. Contribuição social como outras, pura e simples. Recursos controlados pelos órgãos de fiscalização do estado e gestionados pelos empresários. Assim foram criados, com objetivos claros, os serviços de aprendizagem industrial e comercial, como também,  para prestar serviços na área social, a grande preocupação do governo da época e dos próprios empresários, os serviços sociais da indústria e comércio.

Com o passar do tempo, esses serviços se estenderam também para a área de agricultura, transportes, o comércio adicionou serviços, nasceu o serviço para a assistência às pequenas empresas e também para assistir aos exportadores. A evolução da economia e desenvolvimento do país exigiram novos serviços como resposta a novos desafios. Mas, a função básica de educação profissionalizante  do serviço de aprendizagem industrial ou comercial não mudou em momento algum. Nem pela lei e nem por outros meios legais. Ou seja, a sociedade, os empresários e os legisladores continuam afirmando que a contribuição na folha de pagamentos dos trabalhadores é destinada à educação.

E isso tem muita razão de ser. A educação é a mãe de todas as demais atividades e se há recursos bilionários de contribuições dos trabalhadores para isso, os recursos devem ser usados para isso. Claro que os desafios da economia de hoje não são iguais aos desafios de ontem. Educação é um processo, não um momento. Você não educa um profissional da noite para o dia. Portanto, requer muita consistência, visão de futuro e, principalmente, responsabilidade. Esse sistema de aprendizagem é inclusive uma das raras portas que permite mobilidade social aos trabalhadores.

Em termos gerais pode-se dizer que o sistema, em especial na área de agricultura e comércio/serviços, funciona bem. Quanto à indústria, o sistema, em São Paulo e nos estados do Sul, está cumprindo sua missão. Não desviou para a construção megalomaníaca de laboratórios destinados a um pequeno grupo de empresas de seus dirigentes, comprometendo o orçamento de finalidade básica por vinte anos e reduzindo a zero a possibilidade de qualquer expansão ou melhoria de qualidade na sua função básica e legalmente estabelecida, que é a educação. Milhões de desempregados que precisam de requalificação profissional, novos desafios como a indústria 4.0, jovens querendo trabalhar sem qualificação e empresas desesperadas  porque não têm operários qualificados, trocados por interesses mesquinhos, pessoais, financeiros dos que ocupam cargos. E ainda abençoados por empréstimos dos bancos estatais nacionais  de desenvolvimento que aceitam troca de desvio de função legal por desvios ilegais.

Triste o país que troca a educação por falso progresso e o benefícios de alguns pelo futuro de todos. E aí cabe a pergunta, onde estão os que  devem controlar essas ações, como os procuradores de justiça, a polícia, o estado? Há desvio de função e desvio de caráter. E provavelmente mais alguma coisa.

Sunday, 13 August 2017

DO PAO DE QUEIJO E DA INOVAÇĀO



Nos mercados globais, Minas Gerais é sinônimo de pão de queijo, café e cachaça. Para produzir um bom pão de queijo, precisa-se de polvilho e queijo. Misturando tudo isso e mais alguma coisa, faltava que esse produto maravilhoso da culinária mineira pudesse ser oferecido fora do cozinha da casa onde era feito. Gostoso é pão de queijo  quentinho com  cafezinho feito na hora. E aí entra na história a professora doutora Ana Maria  e sua equipe da Universidade Federal da Viçosa, que descobre como congelar a massa do pão de queijo. E o projeto foi financiado pelo SEBRAE Minas.

Os resultados estão aí: uma indústria bilionária, cuja cadeia produtiva emprega milhares de pessoas e leva o produto aos quatro cantos do mundo. A professora deve estar aposentada e ninguém mais lembra dela e da equipe (as tais pesquisas acadêmicas), nem ela nem a universidade na época dirigida pelo atual presidente da FAPEMIG, prof. Evandro Villela, receberam um tostão e nem o SEBRAE Minas recebeu compensação financeira pelo que fez. Mas, a economia de Minas, gerando empregos, e as empresas competitivas, sim, existem e estão prosperando.

A cachaça artesanal mineira, outro produto cujos preços estão proibitivos, mas mesmo assim é um produto global, atingiu sua qualidade quando pesquisadores das universidades ajudaram a melhorar a qualidade, introduzindo métodos de produção e controle de qualidade comparáveis à produção do conhaque francês. E ai entrou o marketing, com esforço empresarial, que também levou a mais empregos e mais resultados positivos das empresas. 

Do café arábica Minas, marca reconhecida mundialmente, aos cafés gourmet, o caminho foi longo e persistente. Também neste caso as universidades tiveram um papel fundamental. A aliança de cafeicultores com pesquisadores elevou a qualidade e colocou  no mercado mundial produtos que fogem à especificação comum de café commodity para atingir preços que compensam a qualidade oferecida.

Há outros exemplos, como o nascimento do projeto Cerrado na agricultura, que começou na antiga Escola de Agricultura de Lavras e faz hoje do Brasil uma potência agrícola mundial. A corajosa iniciativa de formar um núcleo de Biotecnologia, a BIOMINAS em Belo Horizonte, a fábrica de chips com cooperação com suíços, e algumas outras iniciativas que hoje têm sua expressão maior em centenas de start up,  que crescem como cogumelos após a chuva pelo estado afora.

Os desafios porém sao maiores, porque a saída da crise brasileira passa pela transformação da sua economia copiadora em uma economia inovadora. E para isso não faltam nem pesquisadores, nem universidades, nem dinheiro. Claro que o sistema acadêmico vive reclamando da falta de recursos, principalmente neste momento, esquecendo que temos 30 milhões de desempregados  e estamos em um processo de reajuste econômico onde todos temos que perder os anéis, principalmente os políticos, para não perder os dedos.

O grande problema nosso é acreditarmos que a inovação é o único caminho para melhorarmos o país. Precisamos ter coragem para criar  alianças que produzam resultados em uma economia digital, de blockchain, de big data, de analytics, de inteligência artificial, de indústria 4.0, de física quântica etc.


Estamos de costas para o futuro, investindo em tecnologias que produzem resultados parcos mas não nos colocam na frente da corrida para a conquista do mundo. Investimentos bilionários que atendem a uns, como laboratórios de alta tensão, centro de tecnologia ex-estatal para atender industrias fora do estado, pesquisas repetidas em dezenas de universidades no estado, nos obrigam a repensar urgentemente a nossa política de inovação, incluindo centenas de start up que produzam resultados palpáveis para a economia do estado.

Sunday, 6 August 2017

DO MERCOSUL E DA VENEZUELA



Viver em um estado que não tem nem fronteiras estrangeiras e nem acesso ao mar é uma coisa. Outra coisa  é viver na fronteira e, em especial, hoje, nas fronteiras com a Venezuela, de onde vêm milhares de pessoas fugindo da fome, enfrentando o desespero e a falta de emprego. Sim, os venezuelanos estão fugindo e vindo para Brasil. Os retratos de lutas nas ruas de Caracas e  de falta de alimentos no país todo são a realidade que o social-bolivarismo criou para o seu povo. Estranhar o que esta acontecendo na riquíssima Venezuela em minerais e petróleo é ignorar o que acontecia desde que Hugo Chavez assumiu o poder há 18 anos. O truculento Maduro, que o sucedeu, só pegou o estado venezuelano quebrado porque na época de Chávez o preço do petróleo, único bem exportável do país, estava, como o preço de outras matérias primas, lá nas alturas, e agora não vale nem a metade do que valia daquela época.

O Brasil aproveitou bem a amizade com Chávez e nossas empreiteiras fizeram um verdadeiro bacanal nos negócios por lá. Uma empresa que de construção de siderúrgica só sabia como faturar algumas vezes mais a remoção de terra, quando fez a terraplanagem da Açominas, construiu uma siderúrgica cinco vezes mais cara do que vale na mercado internacional. E assim foi com inúmeras  obras executadas pelas empreiteiras brasileiras. Mas, quem se incomoda, se o credor desse dinheiro não são as empresas, mas nosso BNDES e outros órgãos similares. O Brasil é que não vai receber e, pelos cálculos bem otimistas, os venezuelanos nos devem mais de 45 bilhões de dólares.

É aí que mora o problema do nosso relacionamento com Caracas. Esse governo, além de ter transformado o país em uma ditadura populista e com grande probabilidade de transformar o conflito social e político em guerra civil, e, sem nos esquecermos,  com o apoio dos governos Lula e Dilma, não vai sair de lá por qualquer meio democrático. Além do mais, é preciso perguntar qual é o papel dos Estados Unidos nessa história. Maior importador de petróleo venezuelano, nada tem a receber do Maduro. Ao contrário, se eles fornecem petróleo em dia e com bons preços, tudo está perfeito. Mas, até quando o governo Trump, que conta com um executivo da indústria petroleira, que inclusive teve um enorme conflito com o governo Chávez e conhece o país, vai olhar isso com calma. E se em um momento de mau humor não diz basta, comigo ninguém brinca, e manda resolver tudo na marra, para dar exemplo de que os Estados Unidos continuam a grande potência que manda na América Latina. Governos muito mais racionais do que este invadiram Granada (ninguém mais sabe onde fica) e pegaram a laço Noriega, presidente narcotraficante, no Panamá. E ficou por isso mesmo.

Nessa história, a declaração dos chanceleres dos países de Mercosul (fundado há 25 anos no governo Itamar Franco, em Ouro Preto), Brasil, que preside o bloco agora, Argentina, Paraguai e Uruguai, suspendendo a Venezuela do bloco agora, mas deixando as portas abertas para o dialogo, é um sinal de bom senso e uma procura de uma solução pacifica. A diplomacia brasileira voltou a liderar o processo, difícil, mas único possível para uma solução que evite derramamento de sangue e traga a Venezuela de volta para a comunidade dos países democráticos. Um caminho árduo, porque Maduro, também apoiado pelos chineses que lhe dão suporte financeiro e estão adquirindo suas  reservas petrolíferas, quer ser herói nacional e entrar para a história como defensor de um regime falido que empobreceu o país e o levou para a guerra civil. E nessa historia nem falamos dos militares venezuelanos, hoje treinados pelos cubanos. Em resumo, um futuro bem complexo e ruim para nós, vizinhos daquele país.