Saturday, 30 May 2015

DA BH INTERNATIONAL

De BH International Na evolução dos tempos, a forma clássica urbana às vezes muda mais ou menos. O núcleo urbano das cidades históricas, seja de Roma ou Ouro Preto, muda pouco na forma, mas muito no conteúdo. E o com avanço das tecnologias, e em especial de transportes, mudam também as populações das cidades. Os visitantes, dependendo do lugar, podem ultrapassar em muito a população local. E mais: os visitantes não são os únicos que mudam o conteúdo urbano. As manifestações culturais e a vinda de empresas estrangeiras mudam esse conteúdo para o bem e para o mal. Mais para o bem do que para o mal. Em resumo, o mundo está nas nossas casas, ruas, avenidas, teatros, restaurantes, escolas, na vida diária e permanente. Essa internacionalização pode ser dar como em Jericoacoara, no Ceará, descoberta por turistas europeus por acaso e em seguida colonizada e conquistada, ou como em Conceição do Mato, por invasão bilionária de um investimento na área de mineração. Na marra e alegria se refez a cidade e a nova vida nela independente em muito da vontade local. Internacionalizou-se a fórceps e agora tem que esperar o que vai dar de bom para a população local até uma quinta geração, para ver. Há uma internacionalização que aumenta principalmente com os conflitos e a miséria. A vinda desregrada e descontrolada de haitianos buscando pão e água em um país rico como o Brasil, além da paz, com uma violência diferente e mais aceitável do que a que eles experimentam no seu próprio país. Internacionalizam-se a vizinhança, o mercado de trabalho e a cultura. A chamada internacionalização das cidades tem também um outra vertente, que é fazer parte de crescimento sustentável da própria cidade. Há que se sintetizar inúmeros aspectos, e não só os econômicos e empresariais, e incluí-los no conjunto de variáveis que fazem a cidade e a sua população ficarem mais felizes, mais prósperas e com melhores perspectivas de crescimento. São poucas as cidades no mundo que fizeram da variável internacional o seu eixo de desenvolvimento social e econômico. Rodam muitos planos que se reduzem à melhoria do conhecimento de línguas estrangeiras nas boates e similares ou que enxergam no turismo o alfa e omega de internacionalização. Eventualmente, criam slogans e símbolos e em seguida morrem com um evento maior. Difícil nestes projetos integrados é ainda usar a inteligência local. Aproveitar a experiência externa é mais do que válido, mas são raros os casos de liderança local.No marasmo do inverno intelectual que está passando pelas alterosas, o plano BH International liderado pela centenária Associação Comercial de Minas e com base técnica da nossa melhor escola de negócios, a Fundação Dom Cabral, é exatamente um exemplo de um plano para gerar um movimento de desenvolvimento. Agora, mesmo se só foi feito por alguns, deve ser também abraçado por todos. Aliás, quem não participar, seja como entidade, seja como político ou cidadão, vai ficar por fora de uma bela oportunidade de fazer bem. E muito bem. Stefan Salej 29.5.2015.

Saturday, 23 May 2015

DA CHINA E SEUS NEGÓCIOS

DA CHINA E SEUS NEGOCIOS Quando os militares expulsaram em 3.de abril 1964.nove membros de delegação comercial chinesa foram necessários cinquenta anos para que Brasil reconhecesse o erro e anulasse a expulsão. Dos nove, cinco ainda estavam vivos para comemorar a justiça que mesmo tardiamente chegou. E ai dizem alguns especialistas que quando ha trinta e poucos anos Brasil restabeleceu relações diplomáticas com Republica Popular da China, os chineses que foram expulsos voltaram. Se isso é verdade ou não, não se sabe. Mas a verdade é que como a visita desta semana do Primeiro Ministro da China Camarada LI, os chineses não voltaram. Simplesmente conquistaram Brasil. Os 35 acordos assinados, ajuda maciça a Petrobras e projetos conjuntos com Eletrobrás nas linhas de transmissão de Usina de Belo Monte além de acordo de credito de 55 bilhões de dólares com Caixa Econômica Federal e mais e mais do que ninguém exatamente sabe ou viu, significam que no linguajar popular os chineses meteram a cunha na economia brasileira com tal força que parece ter sido um tsunami financeiro. A moda chinesa, claro. Cheio de sorrisos, boa vontade, negação de toda interferência e predominância e proclamando a quatro ventos que são antes e mais nada, parceiros. A nossa relação com a China, como o destino de nossas exportações dos produtos primários, e a fonte dos produtos industrializados, se agregam agora os investimentos chineses no Brasil de tamanho, escala e significado estratégico nunca antes visto na historia deste pais. Ou por ideologia, no final de contas são muitos neste governo que estudaram na mesma escola de marxismo que os lideres chineses, ou por pragmatismo, a equação econômica do Brasil mudou. A soberania ficou amarela. O azul vermelho de bandeira norte americana foi substituído por vermelho com estrelas amarelas da China. Como isso vai ficar, tem que esperar. Chineses tem seis mil anos de historia e não tem pressa. Mas, como é isso hoje em dia, é só perguntar em Buenos Aires onde preferem depois receberem generoso socorro chinês, nem conversar sobre o assunto. Ou melhor ainda, na África. A missão chinesa só esteve em Brasília. E Minas o que vai ter disso tudo? Mendes Jr. construiu as usina hidroelétrica de Rio Amarelo ha algumas dezenas de anos atrás. Governador Eduardo Azeredo esteve lá com missão empresarial. Fiem teve as representação ha mais de 15 anos em Beijing. Para lá vai nosso minério, soja e agora também carnes. Mas fora de vendas superfaturada de algumas minerações que trouxeram comissões grandiosas no governo passado, não temos alianças e nem investimentos chineses. Esta sendo um negocio da China para outros, para mineiros a conta paga com preço baixo de minério. Stefan Salej 21..5.2015.

Sunday, 17 May 2015

Thursday, 14 May 2015

DA INTEGRAÇÃO SUL AMERICANA

DA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Mais de 400 empresários ouviram na FIESP, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, com muita atenção, o Secretario Geral da UNASUL, ex-Presidente da Colômbia, Ernesto Samper, falar sobre a integração sul-americana. Sete projetos que cruzam a América do Sul de norte a sul, de oeste a leste, foram apresentados como grandes oportunidades de desenvolvimento para a região. E não deixou de ser mencionado que a integração dos governos democráticos é a grande base do desenvolvimento da região. União dos países da América do Sul, a UNASUL, com sede no Equador, é mais um organismo criado recentemente que está procurando o seu lugar ao sol. Aliás, o projeto de sua sede, que foi apresentada nas reunião, é de fazer inveja ao Niemeyer no capítulo da falta de modéstia. Mas, achar que vamos integrar a América do Sul com projetos sonháticos de ferrovias e rodovias e talvez hidrovias, enquanto outro organismo da região, o MERCOSUL, anda moribundo, é muita ousadia. E mais: como integrar mais a América do Sul, se a infra-estrutura brasileira compete para ser uma das piores do mundo. Então, se vamos falar em integrar a América do Sul, vamos primeiro arrumar o MERCOSUL e integrar os países de várias formas dentro desse conceito. E nessa área vem primeiro a integração energética. Por diversas razões inexplicáveis, essa integração, mais especificamente entre Brasil-Argentina-Paraguai, anda abaixo da sua capacidade de atender as metas de desenvolvimento e competitividade das econômicas da região. A segunda integração em que poderíamos pensar é a de telecomunicações. Os países não têm um programa comum bem sucedido de lançamento de satélites de comunicações e infra-estrutura que diminua a importância dos Estados Unidos nas nossas comunicações. O mesmo aliás vale para a integração do transporte aéreo. O melhor caminho para ir a qualquer país latino-americano é via Miami. E se Miami fecha os computadores pelos quais passa a internet e fecha o aeroporto, a América Latina volta para século do descobrimento. E como se isso não bastasse, a integração precisa de projetos e financiamentos. O governo que provocou a crise da PETROBRAS, provocou a crise das empresas de engenharia. E a crise do financiamento. A não ser que estejamos fazendo tudo isso para facilitar que o Cavalo de Tróia que os chineses estão trazendo na próxima semana realmente derrote a engenharia brasileira de vez. Nada ao acaso, tudo bem pensado! Stefan Salej 14.5. 2015.

Friday, 8 May 2015

DE, ME ENGANE QUE EU GOSTO

DE ME ENGANE, QUE EU GOSTO Impressionante como as pessoas nas relações políticas e econômicas gostam de se enganar. E um dos grande enganos é que o desenvolvimento vem de fora. Ou melhor dito, no caso de Minas, vem da Capital. Ou seja, políticos e burocratas, de novo encastelados no Palácio da Liberdade e na Cidade Administrativa, sabem o que é bom para as pessoas que moram em povoações e rincões de um Estado que tem território maior que o da França. E o melhor disso tudo é que todos acreditam que é assim que funciona . Mas, o resultado desta relação é absolutamente pífio. É só ver os números e os exemplos. Os municípios, e há nestes dias na Capital, no Congresso Mineiro de Municípios, um beija-mão e choradeira desproporcional dos prefeitos, na sua maioria não encontram os caminhos do desenvolvimento, a não ser através de maior dependência do poder central. As comunidades mais bem sucedidas no mundo inteiro, foram aquelas que souberam criar seus próprios planos de desenvolvimento e encaixá-los dentro de projetos maiores. Não ao contrário, vindo de cima para baixo, mas de baixo para cima. Ou seja, onde a união de lideranças políticas, empresariais, dos trabalhadores, religiosas, em resumo onde todo mundo se junta e diz o que precisa ser feito e como. E em seguida faz. Entre inúmeras histórias bem sucedidas nas Alterosas, como as do Vale de Eletrônica, Nova Serrana, Uba, entre outras, há também novas histórias como a de Varginha. Sob coordenação técnica do SEBRAE, os empresários estão assumindo projetos de desenvolvimento incluindo todos os atores econômicos, políticos e outros atores sociais. Ou seja, uma declaração de guerra ao estágio lento de desenvolvimento e um projeto realista que prevê, com resultados claros e contabilidade transparente, uma mudança radical na vida dos cidadãos de Varginha nos próximos anos. Minas, através da FIEMG, foi pioneira na implantação dos clusters, ou arranjos produtivos locais, no Brasil. Alguns funcionam muito bem. Ganharam asas e foram adotados pela comunidade, como é o caso do Vale de Eletrônica, no Sul de Minas. Outros foram feitos para atender à ilusão de que cluster por si só já é desenvolvimento. Me engana que eu gosto. Desenvolvimento tem que ter um componente local fundamental e fundamental é saber transformar os sonhos, visões e necessidades de todos em projetos realizáveis. Algo que Varginha sem ET está fazendo. Stefan Salej Empresário, consultor internacional, Ex Presidente da FIEMG e SEBRAE 8.5.1025.

DA VITÓRIA CONSERVADORA

DA VITÓRIA CONSERVADORA A ilha britânica que há séculos de democracia tinha dois partidos, o conservador e o trabalhista, que se revezavam no poder, mudou de retrato politico na eleição desta semana. Não é que não tivesse a presença dos dois tradicionais partidos, dos quais os conservadores ganharam de novo o mandato para formar o governo, mas foram os partidos menores que determinaram a vitória dos conservadores do Primeiro-Ministro Cameron e a derrota do líder trabalhista Ed Milliband. Mas, as eleições britânicas deixam para as democracias europeias outras lições além do que só a vitória pura e simples dos conservadores. A primeira é que as previsões eleitorais, que antecipavam uma luta feroz entre os dois grandes partidos, falharam. Não houve luta feroz. Os conservadores, mesmo não tendo maioria absoluta no parlamento britânico, ganharam as eleições e o líder trabalhista imediatamente se demitiu. Dois, os liberais, que formavam a coalizão com os conservadores, foram totalmente derrotados. Três, o partido da independência da Inglaterra, Ukip, que advoga a saída imediata da Grão Bretanha da União Europeia, também fracassou. Nas últimas eleições para o Parlamento europeu, foi este partido que teve uma boa porção dos votos dos ingleses. E quem foi o vencedor? Uma estudante de 20 anos, em um distrito eleitoral a alguns quilômetros de Glasgow, capital da Escócia, derrotou o chefe da campanha trabalhista e se tornou a deputada mais jovem da história britânica. Ela simboliza, em primeiro lugar, que os escoceses, que tradicionalmente apoiavam os trabalhistas, preferiram desta vez votar no seu próprio partido para a independência da Escócia. E, em segundo lugar, que os eleitores não procuram só lideres jovens, os dois candidatos principais são relativamente jovens, mas soluções e propostas novas com credibilidade. Mas, mesmo os trabalhistas perdendo as eleições, o novo velho governo, e você sabe como é segundo mandato, enfrenta os problemas da imigração, crescimento econômico que não seja só através de sistema bancário mas através do aumento de competitividade da indústria britânica que esta minguando, e principalmente suas relações com o mundo e a União Europeia. Os vencedores prometeram um referendum sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia até 2017. E é isso que faz a Europa tremer porque, se Grã Bretanha sai da União Européia, quem fica? Stefan Salej 8.5.2015.

Sunday, 3 May 2015

DA EDUCAÇÃO

Da educação Absolutamente, não há ninguém que não ache a educação uma das coisas mais importantes da nossa vida. Não estamos falando só da educação que domina as relações entre as pessoas, que às vezes beira a total falta de educação, mas da formação que nos permite empregabilidade e certo sucesso financeiro na vida. Hoje em dia é comum ouvir que os formandos, que investiram muito em estudo, inclusive do ponto de vista financeiro, não têm emprego, e as empresas queixando-se que não encontram mão de obra qualificada. Aliás, estória que se repete e cujo final parece sem fim. Uma das razões é a dissociação dos sistemas de educação, sejam privados, municipais, estaduais ou federais, das comunidades. Escolas são do governo ou são dos donos. Mentira, as escolas, seja quem for seu administrador, são da comunidade para a comunidade. E esta permanece mais ausente na maioria dos casos do que as chuvas na época de seca. Os conselhos dos país não funcionam na sua maioria, as lutas dos professores para a melhoria do ensino e melhores condições de trabalho não têm apoio da comunidade. Os cargos de secretários de educação são politizados e, consequentemente, todo o sistema acaba sendo politizado em vez de prevalecer o mérito e a qualidade de ensino. A sociedade, ou seja cada um de nós, fala muito em educação, preocupação com o ensino e tudo mais, mas não me lembro que entre os mais de 150 agraciados com medalhas da Inconfidência que o Governo do Estado distribuiu em Ouro Preto no último 21 de abril tivesse algum professor. Na área de escolas profissionalizantes, que são fundamentais para a empregabilidade dos jovens e também para as empresas, houve o Pacto Mineiro de Educação Profissional, bem preparado, orientado para uma educação que aumentasse as possibilidades de emprego dos jovens, estudo feito por uma consultoria internacional de alta qualidade, a McKinsey, com técnicos do governo, que foi posto do lado pelo novo governo. E a interrupção não foi de um estudo, mas foi da possibilidade de estudo e emprego para milhares de jovens. E alguém protestou? Ninguém! Os sistemas de educação profissional no Estado, como o sistema S ( SENAI, SESI, SENAC, SESC, SENAT, SENAR, SEBRAE) não conversam entre si. Mesmo sendo entidades empresariais e tendo a participação de representantes dos trabalhadores em alguns dos seus conselhos, nem sempre possuem toda a excelência demandada pelo mercado, integrando seus programas. As universidades falam muito em inovação e empreendedorismo, mas não se integram com o mercado. O que vai acontecer em Minas nós próximos 20 anos? Se as universidades, que possuem as melhores cabeças pensantes não sabem, como vamos nós, meros e humildes cidadãos, saber? Mas, também há bons exemplos, só que são poucos demais para nos dar a certeza de mais desenvolvimento. STEFAN SALEJ empresário, consultor internacional ex Presidente da FIEMG e SEBRAE 1.5.2015.