Thursday, 28 March 2013

OS BRICS EM DURBAN, VISTOS DE CAPE TOWN



DOS BRICS E BRACS

 A quinta reunião dos chefes dos Estados do Brasil, Rússia, India, China e Africa do Sul, neste ultimo pais, um pouco mais desorganizada que normalmente, terminou com vários  acordos bilaterais e promessas de nova cooperação. A reunião teve a sombra de cadáveres dos 13 soldados Sul africanos mortos em combates na Republica Centro Africana e a crise do Chipre. Mas uma reunião dos Cinco grandes, comparando com   os animais selvagens da Africa e símbolo da vida, elefante, rinoceronte, leão, girafa e Springboks, mostrou que os responsáveis pelos destinos de 40 % da população mundial tem um caminho longo a percorrer numa associação inventada por um banqueiro há anos. Como os cinco grandes na selva coabitam na mesma terra, mas não convivem, os cinco países dos BRICS, também estão na mesma terra, mas são muito diferentes.

Os competidores entre si procuram traços comuns para se tornarem parceiros. Assim, através de estabelecimento de um fundo de ajuda na crise financeira de 100 bilhões de dólares vão procurar amenizar as crises financeiras. E com um banco de desenvolvimento  com o capital inicial de 50 bilhões de dólares, vão financiar o desenvolvimento da infra estrutura na Africa. As duas iniciativas são a resposta segundo os representantes dos BRICS a ineficiência do Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial. Nas duas instituições os países BRICS tem forte representação  e principalmente no Banco  Mundial influencia, mas quem manda são os Estados Unidos e Europa. Alias, vale a pena ler recém publicadas transcrições de fundação destas instituições chamadas Breton Woods  em 1944 com ativa participação do Brasil.

Assim, os BRICS se colocaram, apesar que falta muito para que os papeis se  tornem ações, que pretendem ser uma alternativa política e econômica ao status quo  estabelecido. Mas, a parceria esta longe de ser uma parceria. Primeiro a predominância e o tamanho da China pesam em todas as relações entre estes países. Entre China, Rússia e India, há assuntos mal resolvidos. Os africanos acusam China de ser pior nas suas relações com eles que antigos colonizadores. E muitas vezes nas pequenas coisas se vê que estas relações estão longe de serem a prioridade.

Estabelecimento do Conselho Empresarial, por sinal com escolha excelente dos representantes brasileiros, pode ser que o comercio aumente. Mas falta muito para que BRICS sejam uma prioridade e compromisso de relações políticas e econômicas de cada um. Por enquanto, ate próxima reunião no Brasil, é um acrônimo em gestação.

Stefan B. Salej

Saturday, 23 March 2013

A RESPOSTA CORRETA DO REITOR DA UFMG!!!!



O REITOR DA UFMG PROF.CAMPOLINA RESPONDEU A MINHA CARTA DE ONDE CONCLUIO QUE DEPENDENDO DELE NAO HAVERA NADA ABAIXO  DO TAPETE NO LAMENTAVEL EPISODIO.OBRIGADO E DESCULPAS PELA ANTECIPACAO DA CONCLUSAO. 

Prezado Stefan Salej,
Muitíssimo obrigado pelo seu e-mail. Andei atarefado com muitas questões nos últimos dias, inclusive com as ocorrências da Faculdade de Direito. Respondo do meu e-mail pessoal, na madrugada de sábado.
 Realmente, são inacreditáveis, lamentáveis, inaceitáveis os atos de racismo, submissão, coação, violência, ocorridos na Faculdade de Direito da UFMG. Eles chocaram a Nação e o mundo. Deixam-nos  envergonhados.
O trote é proibido pelo Regimento da UFMG. Vimos fazendo campanha de convencimento permanente contra atos dessa natureza.  A Universidade é uma instituição de ensino e pesquisa e, portanto, de educação. Nossa maior arma deve ser o convencimento permanente para que se crie uma sociedade mais integrada, com princípios éticos e morais de respeito e solidariedade entre as pessoas. Nesse aspecto a direção da universidade tem agido em conjunto com o próprio Diretório Acadêmico  e com o Sindicato dos servidores.  Os órgãos da administração central da universidade, através da Nossa Coordenadoria de Divulgação e Comunicação,  tem feito uma grande campanha de integração da comunidade. No início do semestre letivo há recepção dos calouros, inicialmente  pela administração central e, em seguida pelas unidades acadêmicas. Nesses eventos há uma grande campanha para  se criar um clima de integração dos novos membros da comunidade.  No entanto, vez por outro ocorrem fatos inaceitáveis, que transgridem os princípios do respeito e da boa convivência.
No caso concreto, assim que a Direção da Faculdade de Direito tomou conhecimento do ato que se praticava, tomou todas as providências para encerrá-lo. Ato contínuo criou uma comissão de sindicância para apurar todos os fatos e os responsáveis. Essa comissão começou a trabalhar imediatamente. Desde então tem havido reuniões entre a Direção da Faculdade e o Reitorado pra aprofundar as investigações e tomar todas as medidas  possíveis  e necessárias para o esclarecimento e identificação dos responsáveis o mais rápido possível.
Assim que tenhamos o resultado da sindicância tomaremos todas as providências cabíveis dentro do nosso Regimento e, se for o caso, encaminharemos  os resultados da apuração às autoridades policiais.
Sinta-se à vontade para encaminhar todas as suas críticas e sugestões.  Conheço seu engajamento político e social em prol da construção de um mundo melhor.
Quando vier a Belo Horizonte, terei  todo o prazer em recebê-lo para uma conversa pessoal .
Um grande abraço
campolina


Clélio Campolina Diniz
Professor Titular
CEDEPLAR - Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional
Av. Antônio Carlos, 6627 - Pampulha
31270-901 - Belo Horizonte, MG
Tels:+ 55 31 3409-7162
Fax:+ 55 31 3409-7203

A SAUDACAO NAZISTA, CHICA DA SILVA E O DIREITO



 A saudação nazista, Chica da Silva e o direito

Quando os estudantes da centenária Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, a Casa do Afonso Pena e alma mater do prof.Anastasia, atual Governador do Estado, pintaram a colega caloura de preto, acorrentaram e colocaram a placa Chica da Silva, enquanto outros usávam a saudação nazista com direito a replica de bigode de Hitler, foi a condenação restrita mas não geral. A condenação foi dos estudantes, do instrumento de introdução de novos colegas na universidade, chamado trote que já  provocou  mortes nas outras universidades, foco do trote e da brincadeira sem gosto e da irresponsabilidade dos jovens.

O ato abominável em todos os aspectos e dimensões deve servir de reflexão além da brincadeira do mau gosto. Foram atos explícitos de racismo e anti-semitismo que geraram  os protestos mais do que justos da comunidade judaica de Belo Horizonte, de alguns professores e estudantes negros, da reitoria da Universidade que prometeu sindicância e em seguida saíram do noticiário. A maioria dos atores acadêmicos e profissionais da educação, de direito, como OAB, as entidades religiosas e políticos inclusive os deputados da  Comissão de direitos humanos, se calaram ou falaram tão baixo, que não deu para ouvir. Alias, não se ouviu direito nem Ministros da área de direitos humanos e de mulheres. E nem procuradores encarregados destes assuntos.

Em resumo, parece que muito a moda da política mineira, o assunto vai para o baixo do tapete. Os judeus ficam sempre lembrando holocausto e os negros tem ate cota para entrar na universidade. Deixe os meninos fazerem a brincadeira, a juventude é assim mesmo.

A percepção da gravidade destes atos, como a ponta de iceberg da nossa educação, não esta sendo percebido. A atitude irresponsável dos estudantes mineiros é o resultado de educação ate chegada na universidade através de vestibular com receita de miojo e continua na faculdade. Eles são produto deste processo que nega história, quer de volta os valores abnegados de nazismo e escravidão. E para que se chega a isso, muita gente chamada de educador, desde família, o ambiente social no qual vivem e as escolas que freqüentaram, participou. Principalmente cabe a pergunta como as pessoas que estão sendo educadas para serem guardiões da lei,futuros juízes,advogados, procuradores, recebem esta educação. Será que a sindicância basta ou precisamos nos perguntar onde falhamos e quantos destes jovens existem pelo Brasil afora. Ou educadores que não cumprem seu papel como os daqueles jovens culminando com a educação que a faculdade tão respeitada não lhes deu.

Friday, 22 March 2013

TUDO PARA COLOCAR ABAIXO DO TAPETE!












ESTE E MAIL VIA E MAIL PUBLICO QUE EXISTE NA HOME PAGE DA FACULDADE DE DIREITO DA UFMG, ENVIEI A DIRETORA DA FACULDADE. CLARO, COMO TAMBEM NAO HA RESPOSTA. ALIAS ELA EM NENHUM MOMENTO PELO QUE PUDE OBSERVAR DISSE QUALQUER COISA EM PUBLICO.TUDO   PARA SER COLOCADO ABAIXO DO TAPETE.VALE A PENA LER O RELATORIO DE GESTAO DA FACULDADE DE 2011/12. NENHUMA PALAVRA SOBRE A EDUCACAO.ATE SOBRE CONTRATACAO DAS COPEIRAS. E A LEITURA DAS ATAS DA CONGREGACAO DAS QUAIS PARTICIPAM ESTUDANTES, FICAM SEM COMENTARIOS.JA QUE FALAMOS EM TRANSPARENCIA, NAO PODERIA EXISTIR UM E MAIL DA DIRETORA SEM CENSURA PREVIA QUE PODERIA SER USADO PARA ENVIAR A  ELA? 
Sra. Diretora, mesmo que ja ecrevi ao prof. Clelio, nao deixo de regitrar aqui minha estranheza de que sob sua direcao nesta centenaria faculdade educam os alunos que consideram a saudacao nazista e desrespeito a negros, uma brincadeira.Se seus professores e Sra, e falo com a autoridade de que foi membro do CS da Capes por 8 anos alem de outras atividades, nao sabiam que valores e conhecimentos sao transmitidos aos nossos futuros guardies da lei, estamos perante um problema ainda maior. E quantos foram educados nestes valores ante semitas e racistas e nao sabemos? Os responsaveis nao sao so alunos mas os educadores e a maior entre eles a direcAo da escola. Repudio aos acontecimentos e a punicao dos estudantes sem definir a sua responsabilidade e dos seus colegas, e em vao. De um lado tenho profunda vergonha que isso aconteceu no meu estado e na minha universidade, sempre gaurdia e percusora dos direitos humanos e de justica social. E mais, a preocupacao que geracao que estao!
  criando. Como Sra. estudou em Louvain, vale a pena perguntar quantos minutos apos o acontecido diretor da escola ainda estaria no cargo ou teria a decencia de pedir demissao. Stefan B. Salej ex presidente da FIEMG