Tuesday, 11 September 2012

DAS ELEICOES PELO MUNDO





Sem dúvida, as eleições na minha cidade são as mais importantes. Mas eleições também existem em outros lugares, e este ano haverá algumas outras que também têm a ver com o nosso mundo. Daqui  até o final, haverá eleições em países absolutamente fundamentais para o nosso futuro. Claro que não podemos desprezar as eleições já realizadas, como na França, a com vitória do socialista Hollande. Ou a volta do Putin à Presidência da Federação Russa.

A mais esperada e propagada será a eleição do Presidente dos Estados Unidos, em novembro. As eleições americanas interessam a todo mundo, mas também são as mais noticiadas. O atual presidente Obama não vai derrotar, apesar de pequena vantagem de hoje, facilmente, o candidato republicano Romney. A eleição será decidida no último minuto e os resultados econômicos, principalmente a taxa de desemprego, vão pesar muito na decisão do eleitorado. E mais: a eleição pode ter prorrogação nos tribunais e batalhas jurídicas com recontagem de votos como nunca antes vistos. Os republicanos não vão entregar a vitoria fácil aos democratas.

Outra eleição que pode mudar a face do mundo é a chinesa. Mas lá o processo de escolha do principal dirigente do país é bem diferente do americano. Não há sufrágio universal. A escolha de chefe do partido comunista e de seus dirigentes é feita pelo congresso do partido, em geral em outubro. O congresso confirma a escolha do seu líder, que ocupa também a presidência do país e da poderosa comissão militar. O problema é que até agora os chineses ainda não anunciaram a data do congresso do partido e o principal candidato, Camarada XI, sumiu de circulação. E a China está também enfrentando situações econômicas que vão exigir uma nova postura de suas lideranças.

Mais perto do Brasil haverá a eleição presidencial na Venezuela. O candidato oposicionista Capriles esta enfrentando a máquina de Chaves, com apoio dos Estados Unidos. Chances de ganhar, inclusive porque Chaves conta com apoio de marqueteiros
brasileiros, são poucas. Mas o resultado da  eleição só se sabe após a abertura de urnas.

Não última em importância, será a escolha do Presidente do Congresso Nacional Africano na África do Sul, que se torna o candidato do partido que tem pelo sistema eleitoral 70 % dos votos e portanto será eleito o Presidente do país. O atual presidente Zuma é candidato à reeleição, mas o massacre dos mineiros, o desemprego alto  e mais alguns deslizes, criaram uma oposição que dará trabalho ao hábil Zuma.

Stefan B. Salej
11.9.2012.
 

   

Sunday, 9 September 2012

AMOR E HORROR NAS GUERRAS, PAPA E MARTY.


Em janeiro deste ano visitei Havana.E fui ver a finca onde morava Hemingway. Muito  bem cuidada, cheia de objetos do escritor e ate o famoso barco dele de pesca estava lá.

E lia muito Hemingway desde meus tempos de juventude na Eslovénia. Inclusive porque Adeus as armas se passa na fronteira esloveno-italiana  no rio lindo, cristalino, Soča ou Isonzo.

Mas meu autor preferido ainda é John dos Passos,"Dos" com sua trilogia sobre Amerika, como  nos da Europa do Leste ( Kafka tambem escreveu um livro com este nome e grafia) chamamos Estados Unidos.

E assim encontrei eles num filme chamado Hemingway e  Martha Gellhorn.A história de amor do Papa e Marty ( Nicole Kidman) passa por acontecimentos e personagens  da história  como Dos e Robert Capra entre outros como o jornalista russo Koltsov que posteriormente é morto pelo Stalin.

O filme que tem ate Rodrigo Santoro e algumas cenas de sexo bem picantes além da estoria  dos dois, é uma passagem pela história e literatura imperdível. Gellhorn coloca perante os nossos olhos as perguntas sobre o horror de guerra como poucas pessoas colocam.Foi a guerra espanhola e a visita a Dachau ( ela foi correspondente de guerra  que cobriu todos os conflitos desde guerra espanhola ate guerra de Bósnia )que mais a horrorizaram. Pudera. 

Ficam as perguntas nao respondidas sobre a guerra espanhola, porque o mundo que venceu nazismo e fascismo deixou  Franco e Salazar dominar numa Europa democrática  os seus paises. E porque tanto terror e horror.Até nos dias de hoje.

Saturday, 8 September 2012

190 anos de 7. de setembro

Sete de Setembro no exterior não tem desfile militar, não tem banda de musica, nem prefeito,governador ou presidente.Tem bandeira do Brasil, tem amigos do Brasil  e tem espirito do Brasil.Tem a nacionalidade cravada no coração e alma brasileira. Voce quando mora no exterior não é nem mais e nem menos brasileiro, mas é muito brasileiro.

No Forte de Cabo de Boa Esperança, no meio da Cidade  do Cabo, Cape Town,
sob um céu estrelado, um forte feito por portugueses como os do Brasil mostrados numa belíssima exposição, com musica de conjunto Mas que nada, só de Sul africanos e com final  da festa com uma exibição de capoeira, foi a festa mais bela de sete de setembro que vi.E vivi.Orgulho de ser brasileiro. E dos que estiveram lá.

Se não tivesse em seguida o jogo das seleções do Brasil e Africa do Sul, tudo estaria perfeito.Ou melhor se o mercenários da seleção que antigamente se chamava canarinho, tivessem jogado pelo Brasil e não pelo real ou euro.


Thursday, 6 September 2012

DO SOCIALISMO E DOS SOCIALISTAS





No final de agosto, quase no aniversário da morte de Getúlio Vargas, reuniram-se na Cidade de Cabo, África do Sul, representantes de mais de 120 partidos políticos socialistas do mundo inteiro. A organização se chama Internacional Socialista, cujo símbolo é um punho segurando uma rosa.E cujo hino é a belíssima canção "A Internacional". Essa organização serviu por algumas dezenas de anos como leme a gerações e gerações que queriam mudar o mundo e foram perseguidas, encarceradas e excluídas. Era a esquerda pavorosa cuja face pior era o comunismo.

Entre os ilustres convidados recebidos pelo presidente sul-africano Jacob Zuma,estava a ex-candidata socialista à Presidência da França, Segolene Royal, o ex-Primeiro Ministro da Grécia Papandreou, que foi ré-eleito Presidente, e vários ex ou atuais chefes de governos, deputados e políticos do mundo inteiro.E, claro, uma forte representação do PDT, chefiada pelo Presidente do partido, ex-ministro do trabalho Luppi. O Brasil elegeu com expressiva votação um Vice-Presidente, o deputado federal gaúcho Vieira da Cunha e ainda ganhou com Miguelina Vecchio uma importante vice-presidência da Internacional Socialista da mulher.

Os temas e debates não poderiam passar à margem da atual crise financeira. Apesar de o título do encontro ter sido "Para uma nova internacionalização e uma nova cultura de solidariedade", os debates sobre economia com emprego, crescimento e proteção social dominaram as discussões. Às vezes com discurso inflamado, às vezes com mais argumentos, mas sempre com muito discurso.O encontro produziu quatro declarações, entre elas uma sobre os caminhos das novas democracias e sobre a paz e o multilateralismo. Nessa declaração  há clara reverência ao conceito de reforma das Nações Unidas e apoio ao Brasil, entre outros, para um lugar no Conselho de Segurança.

O que o Congresso, cujo não  respondeu é qual o rumo que o socialismo vai tomar. De muita declaração, que faria inveja aos burocratas da União Européia pela falta de clareza dos propósitos, sobrou mesmo é a perplexidade perante um mundo em evolução e turbulência.Há muitos governos socialistas no poder, que também não estão conseguindo dar respostas adequadas aos desafios de hoje e do futuro.

Nesse capítulo, vale a pena indagar para onde vão os chamados socialistas brasileiros.Sem dúvida alguma, há admiração no mundo inteiro pela condução do Brasil por um Partido dos trabalhadores que aliás não é filiado à Internacional socialista. Muito  menos o é o PSB. Este sim teria que ser perguntado onde estão os fundamentos socialistas e sociais nas ações dos seus políticos.  Chamar-se socialista não é a garantia de exercer os princípios socialistas. Sobram usurpadores do nome, e há  poucos fazedores de socialismo que passa além de nome e ação social.

Em resumo, sobra socialista e falta socialismo no mundo.

Stefan B. Salej